GZH GERAL: Em recado ao crime, operação transfere detentos para presídios federais fora do RS

As remoções estão sendo planejadas desde março, quando a Justiça negou a transferência de seis dos nove detentos que viajaram nesta segunda-feira

Uma operação de transferência de criminosos para presídios federais fora do Rio Grande do Sul, iniciada na madrugada desta segunda-feira (9), tem um caráter pedagógico. Isso mesmo. É um recado das autoridades de segurança em resposta a ações violentas que voltaram a ocorrer nos últimos meses, dentro e fora das cadeias, principalmente, no Interior. Foram tirados do Estado nesta manhã na Operação Império da Lei II nove detentos de alta periculosidade, mas a lista é maior: já há outras transferências autorizadas pela Justiça e que devem ocorrer nos próximos dias. Assista ao vídeo de Jefferson Botega acima.

O vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, destacou que a ação é uma continuidade da operação de mesmo nome feita em março. Dos nove transferidos, seis já estavam na lista naquela primeira fase, mas a Justiça não autorizou as transferências.

-Temos conseguido manter os indicadores em queda, mais ainda dois terços dos homicídios são decorrentes de disputas de organizações criminosas. Enquanto isso persistir, nós vamos seguir com essa postura de não admitir e vamos transferir – destaca Ranolfo.

A chefe da Polícia Civil, delegada Nadine Anflor, explicou que o trabalho visando a deflagração da operação se acentuou nos últimos 60 dias.

– Às vezes, são casos pontuais e nós mandamos sem ninguém saber. Desta vez, estamos unindo estes em caráter pedagógico, para mostrar quem manda. Não vamos aceitar violência – avisou a delegada.

Nove detentos foram transferidos para fora do Estado em ação que iniciou na noite de domingo Ronaldo Bernardi / Agencia RBS Um dos indicadores que fizeram soar o alerta recentemente é o aumento de homicídios em outubro, segundo Nadine. A polícia ainda não informou o percentual de crescimento.

Participam da Império da Lei II 15 instituições estaduais e federais. A coordenação é do Programa RS Seguro, com participação das Secretarias da Segurança Pública e da Administração Penitenciária.

Os escolhidos começaram a ser retirados de casas prisionais – como o Presídio Central – e de celas da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) às 22h de domingo. Reunidos na Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas, saíram escoltados em comboio terrestre às 4h15min desta segunda-feira em direção ao Batalhão de Aviação da Brigada Militar, ao lado do aeroporto Salgado Filho.

Em paralelo, forças de segurança estão reforçando o policiamento nas ruas de cidades estratégicas e dentro dos principais presídios.

Na lista de motivações para mais essa transferência em grupo – a terceira, desde 2017, quando houve a Pulso Firme -, estão também homicídios e um esquartejamento praticados dentro da Penitenciária Estadual de Canoas (Pecan III) e a guerra de facções que tem causado uma série de ataques e mortes, especialmente, em Caxias do Sul, na Serra. O clima de violência e disputa entre organizações criminosas em Caxias motivou reforço policial para a investigação de casos e para policiamento ostensivo e também fez com que oito apenados fossem removidos da Penitenciária Estadual de Caxias para outras prisões do Estado na semana passada.

Na Pecan, que deveria ser uma prisão livre de disputa entre facções, em setembro, um apenado de 25 anos foi morto com uma faca artesanal e teve pedaços do corpo colocados num saco de lixo, que foi pendurado nas grades da cela. A polícia já identificou o autor do crime.

Os presos transferidos nesta segunda-feira embarcaram em uma aeronave da Polícia Federal. O destino de cada um ainda não foi informado pela SSP.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Associe-se hoje mesmo a quem defende e apoia você!